Retalho Alimentar

Ligue-nos para uma Inspecção Gratuita para 808 21 08 08  ou Contacte-nos

Fiabilidade aliada à experiência de 35 anos em Portugal

Certificados na Norma NP EN 16636 e ISO 9001

Soluções inovadoras, eficazes, rápidas e discretas

Principais Pragas no Retalho Alimentar

O Sector do Retalho Alimentar enfrenta ameaças de Pragas provenientes de múltiplas fontes.

As grandes Lojas podem armazenar dezenas de milhares de produtos de variadas fontes com cadeias de abastecimento complexas, exigindo uma monitorização eficiente e procedimentos de controlo para produtos que são trazidos para o interior das instalações.

As actividades de manipulação de alimentos variam desde a manipulação de carnes cruas e preparação de peixe, produtos lácteos frescos, alimentos recém confeccionados e produtos de panificação, frutas e legumes frescos, além de produtos embalados.

É importante que todas as Empresas, independentemente da dimensão, mantenham padrões de saneamento e tenham uma prevenção activa no que toca a Infestações de Pragas.

A presença de Pragas pode causar um enorme prejuízo económico para o proprietário da Empresa, funcionários e fornecedores.

As potenciais consequências associadas à falta de manutenção de padrões para o sector do Retalho Alimentar incluem:

  • danos na reputação, bem como da confiança por parte do cliente;
  • perdas de vendas e lucros por perder clientes;
  • perdas financeiras decorrentes dos custos de substituição dos produtos danificados;
  • perdas financeiras decorrentes de pedidos de indemnização;
  • processos judiciais por parte das Autoridades Reguladoras e de Saúde Pública;
  • perdas financeiras associadas a multas por parte das Autoridades;
  • encerramento do negócio pelas Autoridades Reguladoras ou pelas Autoridades de Saúde Pública.

As principais Pragas que afectam o Sector do Retalho Alimentar são os Roedores, as Moscas, as Baratas, os Insectos dos Produtos Armazenados, as Aves e as Formigas.

Roedores

Os Ratos e as Ratazanas são animais que são atraídos pela presença de alimentos, mas não se aventuram para muito longe do seu abrigo ou locais de nidificação, como tal, irão instalar-se perto de fontes alimentares.

Ambos partilham uma capacidade de se reproduzirem e aumentar rapidamente a sua população quando há uma abundante fonte de alimentos, locais abrigados de predadores e condições ambientais vantajosas dentro de um edifício.

As ameaças decorrentes da presença de Ratos e Ratazanas no Retalho Alimentar:

  • danos em edifícios e equipamentos: os danos nos equipamentos eléctricos constituem um dos problemas mais comuns e a Ratazana Comum pode danificar os sistemas de esgotos;
  • danos em máquinas;
  • contaminação ao longo das vias de acesso com urina, fezes e sujidade recolhida do ambiente em redor;
  • danos em recipientes e embalagens de alimentos;
  • alimentarem-se de produtos armazenados e expostos;
  • contaminação de alimentos com fezes, urina e sujidade;
  • transmissão de doenças, como Salmonelose, Leptospirose, Toxoplasmose, Doença de Lyme e Estreptobacilose;
  • os Roedores transportam Ectoparasitas, como Carraças, Pulgas, Piolhos e Ácaros, como tal, também são vectores das doenças que estes transportam;
  • os Roedores são reservatórios de algumas doenças transmitidas por Mosquitos.

Sinais de Roedores

Os Ratos e as Ratazanas apresentam assinaturas nítidas, mas diferentes entre si, que mostram qual a Praga que está presente:

  • fezes, que têm tamanhos e formas diferentes de espécie para espécie;
  • observação de animais vivos ou mortos;
  • ruídos: guinchos, sons de roer e sons de animais a correr;
  • manchas ao longo das zonas por onde passam causadas pelo seu pêlo oleoso;
  • trilhos no pó ou sujidade;
  • materiais roídos, como cabos eléctricos, alimentos e embalagens: as marcas são distintas;
  • as manchas de urina são deixadas por Ratos e Ratazanas e podem ser detectadas usando luz UV;
  • pilares de urina formam-se nos locais em que os Ratos infestam uma área durante um longo período de tempo - e irá demonstrar uma falha séria no Controlo de Pragas.

Controlo de Roedores

O Controlo de Roedores envolve a eliminação de potenciais locais de abrigo dentro e em redor dos edifícios, bem como o impedimento de acesso a comida e água.

Podem existir diversos pontos de entrada num edifício, tais como fendas, saídas de ar, tubagens, cabos, elementos de drenagem, portas, janelas, telas, onde podem ser tomadas medidas para impedir o acesso de Roedores.

Todos os Roedores presentes devem ser controlados, usando armadilhas ou veneno de acordo com práticas aceitáveis e Legislação relacionada com a Segurança Alimentar.

A tecnologia desenvolvida pela Rentokil para uso em ambientes de tolerância zero, como Supermercados e Mercearias, captura Ratos, elimina-os humanamente e sem recurso a produtos químicos tóxicos, isola-os de forma higiénica e comunica por wireless com um sistema online seguro no sentido de registar a captura. A unidade de captura de ratos RADAR e o sistema de monitorização online myRentokil permitem uma monitorização remota 24/7 de uma Infestação de Ratos por parte do Cliente e dos Técnicos da Rentokil.

Uso de Rodenticidas

Os Rodenticidas utilizados devem ser produtos aprovados, colocados em estações de isco seguras e restritos a áreas onde os alimentos não são processados. Se armazenados no local, devem também ser armazenados em condições adequadas para prevenir a contaminação dos produtos alimentares e do ambiente.

É necessário conhecimento especializado para determinar o tipo de isco a utilizar, saber onde deve ser colocado e a frequência, o regime de monitorização e a documentação, sendo que para isso o melhor é recorrer a um contratante externo.

Se feito no local, o pessoal tem que ser certificado para manipular os produtos químicos e realizar as actividades de Controlo de Roedores.

Existem requisitos específicos relativamente à documentação na Legislação Alimentar.

Estes incluem a manutenção de mapas de todas as estações de isco, registos de avistamentos, registos da formação dos funcionários, o regime de monitorização, sendo por isso importante ter pessoal devidamente formado responsável pela conformidade com as Normas.

Moscas

Várias espécies de Moscas são atraídas pelo cheiro de alimentos presentes nos Supermercados, tais como a Mosca da Fruta, a Moscas dos Filtros e a Mosca Doméstica.

Para o Controlo de Pragas é importante identificar que espécies estão presentes, pois cada uma tem diferentes atractivos e hábitos de reprodução.

As ameaças decorrentes da presença de Moscas no Retalho Alimentar:

As Moscas podem contaminar alimentos frescos preparados e expostos para venda em Mercearias e Supermercados.

Em condições quentes com "substrato" adequado para se reproduzirem, as Moscas têm um ciclo de vida curto e podem-se multiplicar rapidamente.

As áreas em redor das lojas, especialmente as zonas de armazenamento de resíduos e drenagens, podem fornecer um conjunto atractivo de condições adequadas para as Moscas, caso as práticas de higiene não sejam as mais adequadas.

Doenças

Sabe-se que as Moscas, como as Moscas Domésticas, as Moscas dos Filtros e as Moscas da Carne são capazes de transportar mais de 100 agentes patogénicos que podem causar doenças nos Seres Humanos, como a Salmonelose, Cólera, Shigella, Campylobacter, E. coli, Cryptosporidium, Parasitas e Fungos.

  • As Moscas alimentam-se de matéria fecal, lixo, materiais podres, bem como alimentos armazenados e processados em Instalações de Processamento de Alimentos.
  • Elas deslocam-se regularmente entre as fontes de alimentos contaminadas e áreas limpas, transportando sujidade nos seus corpos, bem como microorganismos a nível interno.
  • As Moscas recolhem o material contaminado à medida que se alimentam, nas suas partes bucais e nos seus corpos.
  • Algumas Moscas, como as Moscas Domésticas, regurgitam sucos digestivos e defecam enquanto se alimentam e descansam, contaminando alimentos e superfícies com microorganismos que podem causar problemas de saúde.

As Moscas da Fruta não são geralmente consideradas como um grande risco para a saúde, porque não se associa a sua alimentação à sujidade. No entanto, as fêmeas podem-se alimentar em fezes de animais para obter proteína para a postura dos ovos, por isso, podem transmitir microorganismos responsáveis por doenças.

Controlo de Moscas

A aplicação de práticas de higiene é particularmente importante para o Controlo de Moscas, no sentido de se reduzir os odores atractivos, material de alimentação e locais de reprodução:

  • certificar-se de que os produtos não vêm nem são armazenados em estado de podridão;
  • as áreas e equipamentos de preparação de alimentos devem ser limpas e inspeccionadas regularmente, incluindo fendas, fissuras e espaços escondidos onde se podem acumular vestígios de alimentos e líquidos;
  • o lixo deve ser eliminado regularmente - pelo menos duas vezes por semana, em climas mais quentes;
  • os contentores do lixo devem ser limpos, não ser enchidos em demasia e ser fechados adequadamente;
  • todo o equipamento usado para manipular o lixo deve ser limpo regularmente;
  • deve existir um volume suficiente de armazenamento para os resíduos produzidos;
  • as áreas circundantes aos locais onde o lixo é armazenado devem ser mantidas limpas e em boas condições;
  • os locais de abastecimento e os veículos onde os derramamentos se podem acumular devem ser mantidos limpos;
  • devem-se aplicar as mesmas práticas de higiene às cantinas e cozinhas;
  • os canos são mantidos livres de matéria orgânica acumulada e limpos com um produto de limpeza apropriado.

A exclusão depende da concepção e manutenção das Instalações:

  • deve-se utilizar redes mosquiteiras nas janelas e ventilação, mantidas em boas condições;
  • a concepção das portas deve ser apropriada para o efeito, como por exemplo: portas automáticas, portas rolantes, portas com fitas de vinil;
  • as portas devem ser mantidas fechadas quando não estão a ser utilizadas;
  • o edifício deve ser mantido em boas condições para prevenir que surjam fendas em qualquer parte do edifício que permitam a entrada de Insectos;
  • as armadilhas de luz UV e as de feromonas devem ser utilizadas para capturar Moscas no sentido de ajudar a prevenir a acumulação de populações reprodutoras.

Baratas

As Baratas podem causar problemas em Empresas que manipulam alimentos devido à sua capacidade para se esconderem em espaços pequenos, a sua dieta variada, rápida reprodução e doenças que podem transportar.

As Baratas são maioritariamente nocturnas, abrigando-se durante o dia e saindo à noite para procurar comida e outros locais para abrigo.

Elas podem abrigar-se em prateleiras nas lojas, locais escuros como fissuras e fendas nas paredes e chão, escoamentos, esgotos, ou dentro de equipamentos e máquinas, desde que estes espaços lhes forneçam a temperatura e humidade adequadas.

Estes locais são também difíceis de alcançar usando métodos normais de limpeza e saneamento.

As ameaças decorrentes da presença de Baratas no Retalho Alimentar:

  • Doenças e alérgenos: as Baratas podem transportar um grande número de bactérias causadoras de doenças, incluindo Salmonella, Staphylococcus, Listeria, E. coli e também Fungos, Vírus e Parasitas;
  • Alimentam-se de matéria em decomposição, bolor, matéria fecal de Roedores e Aves e carcaças de animais, que podem ser depois levadas para as áreas de produção alimentar, armazenamento e exposição nos seus corpos ou nos excrementos;
  • Defecam ao longo dos seus trilhos;
  • Expelem frequentemente saliva nas superfícies para "provar" o seu ambiente;
  • Os excrementos e secreções corporais mancham e deixam um mau odor que pode permear as áreas de infestação, alimentos e embalagens;
  • As mudas de pele e cápsulas dos ovos contaminam produtos e embalagens;
  • Os excrementos e as mudas de pele contêm alérgenos e grandes populações de Baratas podem desencadear crises de asma. Os alérgenos residuais que permanecem após os tratamentos de Controlo de Baratas necessitam de limpeza para serem removidos.

Prevenção de Baratas

Boas práticas de saneamento ajudarão a prevenir Infestações de Baratas:

  • As Baratas podem-se alimentar em pequenos resíduos de alimentos deixados por derramamentos ou em áreas de preparação, portanto, boas práticas de limpeza que eliminem rapidamente os resíduos irão negar-lhes o fornecimento de alimentos;
  • Nas áreas de produção alimentar, armazene os alimentos em recipientes à prova de Baratas: elas comem papelão e papel, pelo que estes não devem ser utilizados para armazenamento;
  • Um bom regime de inspecção para os equipamentos, edifícios, cargas, produtos armazenados e expostos, captará rapidamente infestações e identificará riscos.
  • Mantenha os canos em boas condições para evitar a acumulação de detritos alimentares e meios de acesso e abrigo;
  • A remoção de resíduos nas áreas de produção de alimentos, um contentor de lixo com design adequado que negue o acesso a todas as Pragas, o posicionamento dos contentores do lixo longe das áreas de armazenamento e processamento alimentar, o esvaziamento e limpeza frequente, são tudo factores que reduzem o risco de infestação;
  • Um bom design de construção pode reduzir o risco de acesso, por exemplo, através de espaços em redor de tubagens e cabos, ventilações, telas, janelas, portas de entrada, esgotos.

Controlo de Baratas

Existem vários tipos de tratamentos para Controlo de Baratas, incluindo sprays, aerossóis, pós e iscos. Numa Instalação de Processamento Alimentar, os Insecticidas utilizados devem ser permitidos pelas Autoridades competentes e exigirão pessoal competente e devidamente formado para os aplicar.

A Rentokil também possui métodos de Controlo sem químicos adequados para ambientes de negócios sensíveis e Unidades de Monitorização de Insectos para detectar sinais de actividade.

Insectos dos produtos armazenados

Os Insectos dos Produtos Armazenados (IPAs) é um termo genérico que abrange os Escaravelhos, Gorgulhos, Traças e Ácaros (que são, na verdade, Aracnídeos) que infestam alimentos armazenados em qualquer local da cadeia alimentar, desde o produtor até à cozinha.

As Pragas dos Produtos Armazenados têm maior probabilidade de estar num ingrediente alimentar no momento da entrega a uma loja de retalho ou num produto alimentar processado quando armazenado durante um longo período de tempo.

A maioria dos produtos alimentares secos é susceptível a Pragas. Nestes produtos incluem-se os cereais, as sementes, as nozes, os frutos secos, as especiarias, o leite em pó, o chá e as carnes em conserva.

Os IPAs podem também entrar em embalagens feitas de papel, cartão, plástico, papel celofane e película.

Os pontos de entrada de alguns Insectos em Instalações são pequenos o suficiente para não serem perceptíveis à vista desarmada, como acontece com a larva da Traça Indiana da Farinha. Por isso, mesmo as embalagens sem danos visíveis podem albergar Pragas de Insectos no seu interior.

Os Insectos e Ácaros só conseguem consumir uma pequena quantidade de alimentos, mas podem contaminar grandes quantidades - através de danos físicos, fezes, casulos e a introdução de microorganismos que causam posterior degradação, tornando os alimentos inadequados ou inaceitáveis para o consumo Humano.

A actividade de Pragas nos ingredientes crus pode também alterar as suas propriedades físicas e químicas, fazendo com que se tornem pastosos durante o processamento.

Aves

Os edifícios fornecem áreas seguras para que as Aves se movam à volta da estrutura e em espaços como os existentes sob os telhados. As lojas alimentares e áreas de armazenamento de resíduos podem também providenciar um fornecimento de alimentos que atrai as Aves.

As Aves selvagens e os seus ninhos estão protegidos pela Lei e só as Aves consideradas Pragas podem ser controladas. As Pragas de Aves mais comuns são os Pombos, os Pardais Comuns, várias espécies de Gaivotas e Estorninhos.

Danos causados por Aves

As Aves podem causar danos físicos ao mover telhas, particularmente as maiores, e bloquear as calhas com ninhos e penas.

As Aves produzem quantidades substanciais de excrementos que contaminam edifícios, veículos, áreas pavimentadas e entradas de edifícios, onde existem entregas e onde os funcionários e o público geral caminha, estaciona e entra nas Instalações.

Dentro dos edifícios, os excrementos de Aves, o material de nidificação e as penas podem contaminar superfícies, equipamentos e produtos alimentares expostos e em áreas de preparação alimentar.

Além de serem desagradáveis, as Aves podem transmitir algumas doenças e diversos patógenos humanos, incluindo vírus, bactérias, fungos e protozoários. Os microorganismos mais comuns são a Salmonella, a E. coli e o Campylobacter.

Os locais de pouso e de nidificação das Aves também potenciam infestações de artrópodes, como Ácaros das Aves, Pulgas e algumas espécies de Escaravelhos.

Controlo de Aves

O Controlo de Aves consiste no impedimento de acesso a alimentos, água e abrigo. As práticas básicas para impedir o acesso a alimentos e água são:

  • manter as portas fechadas quando não estiverem em uso;
  • remover rapidamente derramamentos;
  • manter as áreas de armazenamento de lixo limpas e os contentores fechados;
  • os contentores do lixo devem ser à prova de Aves;
  • remover qualquer água estagnada sempre que possível;
  • verificar regularmente as áreas de armazenamento de alimentos e zonas de entrega para procurar possíveis pontos de acesso para as Aves.

A negação de abrigo inclui a eliminação de locais de nidificação e de alimentação nos edifícios e nas proximidades das Instalações.

Isto deve começar com a concepção das Instalações e deve incluir medidas, como Sistemas Anti-Pombos, para impedir o acesso a telhados planos, varandas, saliências, chaminés e calhas, que são as áreas favoritas para nidificação.

Sistemas Anti-Pombos existentes:

Formigas

As Formigas são mais um incómodo do que uma questão de Segurança Alimentar no Retalho Alimentar, dependendo dos níveis da Infestação, claro.

Elas podem encontrar o seu caminho para as fontes de alimentos em edifícios através dos mais pequenos buracos. Podem infestar alimentos frescos, áreas de preparação alimentar, prateleiras, alimentos embalados - danificando tanto as embalagens como os alimentos no interior - e as áreas de armazenamento de resíduos.

As Formigas não são vectores de doenças, mas podem captar organismos causadores de doenças por contaminação mecânica ao caminharem sobre substâncias ou superfícies contaminadas.

Existem 15.000 espécies e subespécies no Mundo, ocupando uma gama muito diversificada de habitats.

Elas são geralmente oportunistas no que toca à alimentação e irão procurar qualquer fonte de alimento disponível. Algumas preferem alimentos doces e outras fontes de proteína ou folhas frescas que são utilizadas para cultivar fungos para a alimentação no ninho.

Perdas económicas causadas por Formigas

  • Desperdício de alimentos: os alimentos contaminados por Formigas devem ser eliminados;
  • Danos na reputação: a presença de Formigas numa loja e em produtos comprados pelos consumidores causará uma publicidade prejudicial e potenciais avisos de segurança alimentar ou processos;
  • Perda económica: o custo do desperdício de alimentos e a sua eliminação, devolução de mercadorias, perda de negócios associada aos danos na reputação e o custo associado a instruções de Segurança Alimentar e processos.

Bibliografia

WHO. Public Health Significance of Urban Pests. Copenhagen, WHO. 2008.

Keener, K. Safe food guidelines for small meat and poultry processors. A Pest Control Program. Purdue Expension, Purdue University.

Lupo L. Control of small flies. Quality Assurance Magazine. 31 March 2015.

Lupo L. Controlling Flies: Large and Small. Quality Assurance Magazine. 13 August, 2013.

Lupo L. Cockroach FAQs. Quality Assurance Magazine. June 3, 2014.

UNIDO. Good Manufacturing Practices: Pest Control. Paper 9.


Mais Informação & Próximos Passos

Encontre a SUA Delegação

Código Postal